Geral

Nove fatores que podem causar o zumbido

Publicado em 31/10/2017

Além da campanha que visa incentivar a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de próstata, o mês de novembro também é marcado pela 12ª edição do Novembro Laranja, Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido. A iniciativa tem o objetivo de despertar a população para as causas e formas de tratamento do zumbido e reforçar como a comunidade médica pode oferecer aos seus pacientes opções de tratamento com melhora, e até cura, desse sintoma.

Segundo o médico otorrinolaringologista, Ruysdael Zocolli, enquanto a maioria dos médicos diz para se acostumar, que não tem cura, há um grupo – do qual ele faz parte - no Brasil que aborda o problema de outra forma. “Temos congressos mundiais sobre zumbido, eu mesmo já participei de dois. Segundo estatística mundial, pelo reforço negativo, somente 3% dos portadores de zumbido procuram ajuda e temos casos de suicídio pelo zumbido ”, conta.

Zocolli afirma que no Brasil já ultrapassa a casa de 27 milhões de pessoas com zumbido, desde leves até debilitantes. “Precisamos pensar que zumbido é um sintoma de várias doenças, por isso seu tratamento é pessoal e depende da doença básica. Assim, podemos afirmar que o problema tem cura”, explica.

O médico esclarece que há em seu grupo dois livros publicados sob essa abordagem, um cujo titulo é “QUEM DISSE QUE ZUMBIDO NÃO TEM CURA?” e o outro “TINNITUS O BARULHO DO SILENCIO.”

 

Nove causas do zumbido  

Como o zumbido (tinnitus ou acúfenos) é um sintoma, as causas são diversas. Confira algumas citadas pelo médico:

1 – Otológicas: desde cerume no conduto passando por doenças do ouvido médio (otites, otosclerose), doenças do ouvido interno, como trauma acústico, perda induzida por ruído, chegando a tumores do nervo, conhecidos  como neurinoma do acústico.

2 – Neurológicas: principalmente doenças degenerativas como Alzaimer, esclerose, meningite, trauma craneano.

3 – Odontológicas: problemas no aparelho mastigatório, sendo problemas musculares, problemas com ATM (Articulação Temporo Mandibular - é hoje a quarta causa em frequência), bruxismo, etc.

4 – Metabólicas: problemas com metabolismo do açúcar (diabete tipo I, diabete tipo II, hiperisulinismo, dissacaridade, etc), problemas com gorduras (colesterol e triglicerídeos), problemas com tireoide, com supra-renal, doenças ovarianas, entre outras.

5 – Cardiovasculares: principalmente hipertensão e insuficiência cardíaca.

6 – Medicamentosa: existem vários medicamentos que podem ser citados, os mais frequentes são AAS, anti-inflamatórios e alguns antibióticos.

7 – Vícios e maus hábitos: excesso de cafeína, álcool, fumo, sal, entre outros.

8 - Alterações nas estruturas que envolvem o ouvido: como tumores vasculares na região, má formação de grupos musculares do ouvido.

9 – Alterações na coluna cervical: desde problemas musculares até hérnias de disco.

Além de tudo, Zocoli ressalta, ainda, o sistema límbico, unidade localizada na superfície medial do cérebro e que é responsável pelas emoções e comportamentos sociais. “Normalmente até o médico, por desconhecimento, faz reforço negativo de que o problema não tem cura, que a pessoa tem que se acostumar com isso e influencia o sistema límbico dos pacientes. Com isso, além de corrigir a causa, temos que fazer psicoterapia”, afirma.

 

Tratamento

Como citado anteriormente, o zumbido pode ter as mais diversas causas. “Normalmente se procura as principais e aí temos que corrigi-las. Por isso, NÃO EXISTE TRATAMENTO MILAGROSO. O que pode ser feito é corrigir a causa”, reforça.

Zocoli enfatiza que o diagnóstico é feito com uma boa análise do histórico do paciente. São verificados antecedentes familiares e feitos exames do ouvido, como audiometria, exames do ouvido interno, exames de imagem - tanto do ouvido como ATM (Articulação Temporo Mandibular) ou coluna, depende da história da pessoa, além de exames de sangue.

O médico, que tem 36 anos de experiência, exemplifica o caso de uma paciente: “Uma menina com menarca (primeira menstruação) aos nove anos de idade, teve crise de tontura e zumbido. Após 11 meses, ela menstruou novamente e teve tonturas e zumbido mais uma vez. Depois de seis meses voltou a menstruar e, segundo acusou um ultrassom obstétrico, tinha um tumor benigno de ovário. Ela foi operada e cessaram os sintomas. Então, desde que se dedique e investigue, achando a causa, o zumbido tem cura”, explana.

 

De acordo com o médico, hoje as causas mais comuns, em ordem, são distúrbios metabólicos, problemas de coluna cervical, problemas otológicos e distúrbios de ATM. Isso perfaz quase 80% dos casos, depois vêm os mais raros, segundo o especialista.

 

Debate, estudos e evolução

“Todos os congressos que vou tem palestras sobre o assunto e já existe um congresso mundial sobre zumbido”, afirma Zocoli, que já participou em dois eventos mundiais sobre o tema. 

O médico faz parte de um grupo de 28 otorrinolaringologistas com experiência no assunto. Eles mantêm um canal, por meio da internet, onde são feitas discussões sobre o tema, que é considerado o terceiro pior problema que pode acometer o ser humano, atrás apenas da dor e tontura intensas e intratáveis, segundo pesquisa realizada pela Public Health Agency of America.

Segundo o especialista, todas as demais doenças, como câncer, paralisias, cegueira e surdez aparecem posteriormente na lista. “Assim, o zumbido torna-se muitas vezes um problema debilitante, impedindo a vida normal e, em alguns casos, podendo até precipitar o suicídio”, finaliza.

 

 



Postado por: Josiane Caitano

Compartilhe

Comentários