Saúde no Vale

Quando a maternidade se torna um propósito de vida

Publicado em 08/05/2019

Era uma mulher com mais de 30, casada, empresária e sem a mínima vontade de ser mãe – apesar de ser o sonho do marido. Ana sabia que era adotada, mas apenas aos 21 anos de idade seu pai contou sua verdadeira história - a de que ela havia sido abandonada recém-nascida em um matagal e foi encontrada quase sem vida por um cachorro que a farejou. “Eu tinha muitos traumas inconscientes enraizados nesse abandono que travavam a minha vida em diversos aspectos. Um deles era sobre ser mãe”, conta Ana Paula Franz.

Até que Ana foi surpreendida por uma gravidez. Nascia ali uma mãe e uma nova profissional. Ela não acreditava que o instinto maternal fosse suficiente, por isso, leu muito sobre maternidade e sono. “Eu fui daqueles bebês que só choravam e não dormiam. Cresci sabendo que fiz meus pais adotivos sofrerem com a privação de sono”, diz Ana.

O Miguel nasceu e deu tudo tão certo na prática, que Ana sentiu a necessidade de ajudar outras famílias a se conectarem mais com os filhos. Vendeu sua clínica de estética, fez duas especializações internacionais em Sono, formou-se em Disciplina Positiva e Treinamento Comportamental e abriu uma nova empresa – agora, com foco em preparar os novos pais a desenvolverem a confiança e um apego seguro com seus filhos.

Nas palestras e workshops que faz sobre Disciplina Positiva, oferece ferramentas para que os pais consigam colocar em prática esta abordagem de educação, baseada na firmeza e gentileza. Ela acredita que as crianças devem ser criadas com respeito - nada de tapas, castigos, gritos e humilhações. Na teoria isso faz todo o sentido, mas pode ser bem difícil para uma família mudar um padrão.

Na consultoria do sono, Ana ajuda gestantes e famílias com crianças que estão com problemas para dormir. “Junto à família, tenho que entender o que está acontecendo através de um olhar integrativo, que vai muito além da hora de dormir; mas que busca equilibrar todas as necessidades da criança, tanto físicas quanto emocionais, para que o adormecer aconteça da forma mais natural possível”.

As mudanças na vida de Ana aconteceram de maneira natural e sem planejamento. “Hoje, eu realmente sinto que encontrei o meu propósito de vida, que é de transformar a maternidade em algo mais leve e tranqüilo, pois não faz sentido dar o milagre da vida. Quero impactar de forma positiva todas as mães e os lares por onde eu puder passar”, finaliza.

--

Texto: BIANCA INGLETTO - Jornalista

Compartilhe

Comentários

 
Publicidade:
Psicanálise no Divã