Saúde no Vale

Cuidado: animais peçonhentos costumam aparecer nesta época do ano

Publicado em 09/11/2017

Os dias de calor e chuva atraem animais peçonhentos, o que aumenta os riscos de acidentes com esse tipo de bicho. Entre as espécies mais comuns estão as cobras, os escorpiões e as aranhas. E na região do Vale do Itajaí não é diferente.

Moradores do bairro Itoupava Norte, em Blumenau, estão apreensivos com o aparecimento de escorpiões. Desde 2015, quando a mãe de Marilin Volter foi picada por um, a família já encontrou cerca de 100 animais da espécie no terreno. A vizinha, Deise Zabel, encontrou alguns escorpiões em sua casa também nas últimas semanas. “Na primeira vez, foi a minha cachorrinha quem encontrou e na segunda vez um animal apareceu perto da entrada principal da casa. De lá para cá, já encontramos alguns aqui”, comenta.

Como sabem que os escorpiões vêm da mata do lado, elas contam que mantêm os terrenos limpos e fazem de tudo o que é possível para impedir a vinda dos invertebrados. Elas inclusive estão mantendo uma criação de galinhas no quintal, já que descobriram que as aves são predadoras dos escorpiões.

Além dos escorpiões, quem está aparecendo com frequência são as cobras. Somente em Blumenau, nas últimas semanas, três delas foram encontradas na área urbana. No bairro Escola Agrícola, uma jararaca picou um menino de 12 anos em sua cama, enquanto ele dormia. Alguns dias depois, uma jararacuçu picou uma mulher no bairro Progresso e na última segunda-feira uma jararaca foi encontrada no quintal de um cartório, na Itoupava Central.

Aranhas são mais um exemplo de animais peçonhentos que podem aparecer nesta época do ano. As chamadas aranhas marrons são facilmente encontradas na região sul do Brasil e são um tipo de aranha que merece atenção.

 

Saiba mais:

O sargento Airton Cesar Schmits, do Corpo de Bombeiros Militar de Blumenau, orienta que se alguém for picado por um animal peçonhento (cobra, aranha, escorpião) algumas providências devem ser tomadas:

  • Afastar-se do animal para evitar novos ataques;
  • Evitar que a vítima se locomova por meios próprios para não acelerar a circulação sanguínea e com isso a distribuição mais rápida da toxina no organismo;
  • Quando a picada ocorrer em membros (braços e pernas), elevar acima do corpo o local atingido também ajuda reduzir a velocidade de distribuição da toxina;
  • Lavar o local da picada com água e sabão abundante;
  • Acionar o serviço de atendimento do Corpo de Bombeiros – fone 193 – ou SAMU – fone 192.
  • Aguardar o socorro no local acalmando a vítima.
  • Quando em condições de segurança, capturar o animal para correta identificação.

 

Importante: O que não fazer em casos de picadas:

  • Não cortar ou furar a pele no local do ferimento;
  • Não ofertar nada para comer ou beber ou aplicar qualquer substância no local da picada;
  • Também não tentar sugar o veneno.

 

Como evitar acidentes? Como prevenir que esses animais entrem em casa?

De acordo com o sargento Airton, cuidados com o imóvel, como evitar acúmulo de entulhos de madeira, telhas ou tijolos ajudam a impedir o aparecimento desses animais indesejados. Ele também indica a construção de muros nos locais que dão acesso para matas, além de manter o terreno roçado e limpo, sem restos de alimentos jogados. Isso tudo, segundo ele, evita a concentração de presas como ratos, rãs e pererecas (alimentos das cobras), baratas (alimento dos escorpiões) e insetos (alimentos das aranhas). Antes de calçar sapatos ou vestir as roupas o bombeiro indica conferir a presença dos animais.

Em casos em que uma cobra ou outro animal peçonhento está dentro de casa, o profissional diz que não se deve tentar capturá-lo com as mãos e sempre manter uma distância segura. “O comprimento de um cabo de vassoura já é suficiente. A própria vassoura pode ser usada para 'varrer' o animal para o meio externo”, afirma.



Postado por: Josiane Caitano

Compartilhe

Comentários